Arquivos

Posts Tagged ‘Crise política na Síria’

Observatório da Política Externa do Brasil: Informe nº. 60

Observatório da Política Externa do Brasil (NEI/FDUSP)

Sumário de temas da agenda de política externa brasileira (05.10.20XI – 11.10.20XI):

Desenvolvimento, pobreza e ações de combate à fome
Visita a Angola

Direitos Humanos
Margarita Belém; Argentina

Comércio Internacional, OMC e sistema financeiro internacional
Ocupe Wall Street; Crise Européia; Relações Exteriores do Brasil; Negociações LAN-TAN; Kirin-Schincariol

Paz e Segurança Internacional
Crise política na Síria

Terrorismo e Narcotráfico
Atentado na Somália


Desenvolvimento, pobreza e ações de combate à fome
Por Christine Park e Juliana Alexandre

Presidenta Dilma Rousseff participa da Cerimônia de Deposição de Oferenda Floral no Monumento ao Dr. Antonio Agostinho Neto, Primeiro Presidente da Republica de Angola .

Segundo reportagem do Estado de S. Paulo, em discurso proferido em Luanda – Angola, a presidente Dilma Rousseff declarou que, ao contrário de países que continuam “trilhando o caminho da insensatez”, em referência à condução da crise econômica por parte de nações desenvolvidas, Angola, assim como o Brasil, atuou no crescimento por meio de políticas contracíclicas que privilegiaram “ações sociais de combate à pobreza, desenvolvimento e criação de empregos”. Dilma ressaltou, assim, a necessidade de criação e implementação de “políticas macroeconômicas sadias” para combater a crise, conforme informa a reportagem.


Direitos Humanos
Por Jefferson Nascimento

Tozzo (e), de 66 anos, sendo conduzido por oficial da InterpolEm 13/10, a Justiça brasileira extraditou o ex-militar argentino Norberto Raúl Tozzo, 66, acusado de participar da emboscada que levou à tortura e fuzilamento de 22 presos políticos, em 13 de dezembro de 1976, evento que ficou conhecido como Massacre de Margarita Belém. Tozzo foi entregue a policiais federais da Argentina ainda no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro; em 17/10, o ex-major foi enviado à província do Chaco, onde seria julgado. Espera-se que Tozzo seja indiciado no mesmo processo no qual outros oito ex-militares foram condenados à prisão perpétua em meio de 2011. A extradição do ex-militar foi condicionada pela Justiça brasileira à conversão da pena de prisão perpétua a uma que não exceda 30 anos, além do cômputo dos 4 anos já cumpridos no Brasil.

Tozzo foi preso por acaso na praia de Ipanema, em 2008, após se envolver em uma briga. Como não possuía documento de identificação, foi encaminhado à Polícia Federal, que acabou descobrindo se tratar de um militar procurado por crimes cometidos no período da ditadura militar argentina. O ex-militar era objeto de ordem de prisão internacional desde 2004; em maio deste ano, o STF aprovou sua extradição.

Retornar ao topo


Comércio Internacional, OMC e sistema financeiro internacional
Por André Cardozo, Lucas Bulgarelli e Lucas Eiras

O movimento Ocupe Wall Street e suas manifestações-irmãs têm ocupado o noticiário nos últimos dias. Os manifestantes têm as mais diferentes reivindicações e maneiras de protestar, mas há um consenso: de que se tratam de atos de 99 contra 1, ou seja, a grande maioria da população americana contra não apenas os grandes operadores de Wall Street, mas sim o 1% mais rico da população. E mais uma vez temos destaque para a crise européia, o que é natural já que se trata do foco de todas as atenções na economia mundial.

Em meio a depoimentos usuais como o de Trichet, que definiu a atual crise como a maior desde a Segunda Guerra Mundial, e dos ganhadores do Nobel de economia Thomas Sargent e Christopher Sims, que disseram não terem uma solução rápida para “esta bagunça”, outros como o de Putin, que disse não ver um papel para os BRICS na crise européia, e de Mantega, que quer discutir o reforço do FMI em Paris no próximo mês, se destacam.

Enquanto temos a quase corriqueira indefinição da situação grega, com direito a vistoria do FMI e da E e novos protestos populares, a OCDE fez interessante avaliação sobre a possível redução de subsídios agrícolas na UE, já que os governos buscam a redução de gastos públicos.

O Itamaraty anunciou uma série de medidas visando a promoção comercial do país no exterior. Dentre as medidas, esta a duplicação da capacidade da Coordenação Geral de Contenciosos (CGC), tendo em vista a preocupação do MRE quanto às disputas comerciais envolvendo o Brasil na OMC. Destaque para a visita de Dilma Rousseff à Turquia, país com o qual as relações comerciais brasileiras experimentaram um salto de 60% em 2010, e a indefinição quanto aos interesses de empresas brasileiras na Líbia, que tiveram suas atividades e contratos interrompidos devido à guerra.

As negociações da fusão LAN-TAM da compra de ações da Schincariol pelo grupo japonês Kirin devem ter seguimento, tendo em vista a aprovação da primeira pelo órgão anti-truste espanhol e a cassação de liminar da que barrava o segundo o negócio.

Retornar ao topo


Paz e Segurança Internacional
Por Tiago Megale

Encontro bilateral entre o Ministro Antonio de Aguiar Patriota e o Secretário-Geral da Liga de Estados Árabes, Nabil El-Arabi, em setembro de 2011

Em 10/10, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, afirmou que a Liga Árabe deveria assumir um papel mais ativo em relação à crise política na Síria, sobretudo diante da falta de Consenso no Conselho de Segurança da ONU. Na semana passada, um projeto de resolução apresentado pelos quatro membros da União Europeia no Conselho que condenaria a Síria pela repressão contra os manifestantes foi vetado por Rússia e China. Segundo Patriota, teria sido melhor a não apresentação do projeto de resolução e a continuação da busca por maiores acordos, visto que “a mensagem do Conselho tem maior impacto quando há maior consenso”. Patriota também afirmou que o Brasil continuará trabalhando junto com África do Sul e Índia em favor de uma “saída pacífica” e a promoção do diálogo entre os sírios.


Terrorismo e Narcotráfico
Por Jefferson Nascimento

Em nota de 05/10, o Governo do Brasil deplorou o atentado terrorista perpetrado no dia anterior em Mogadíscio, capital da Somália, evento que ocasionou a morte de dezenas de pessoas, inclusive jovens estudantes. Além de solidarizar-se com a família das vítimas e com o Governo Federal de Transição da Somália, o Governo brasileiro reiterou sua ojeriza a todas as formas de terrorismo, independentemente do contexto, expressando seu apoio aos avanços políticos e no campo da segurança recentemente obtidos pelo país do Chifre da África.

Retornar ao topo


Dúvidas sobre o Observatório da Política Externa do Brasil do NEI/FDUSP? Contate-nos em observatorio@nei-arcadas.org.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 203 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: