Equipe da USP é novamente premiada em competição internacional

Alunas da Faculdade de Direito da USP foram destaque no Concurso de Julgamento Simulado promovido pela American University, mantendo a tradição de sucesso no evento

Nos dias 18 a 23 de maio do presente ano, a equipe formada pelas oradoras Letícia Machado Haertel e Julia Cunha Cruz representaram a Universidade de São Paulo na 19ª Competição de Julgamento Simulado da Corte Interamericana de Direitos Humanos, colocando em prática cerca de cinco meses de trabalho preparatório intensivo.

Rodada de treinamento na Faculdade de Direito da USP

Rodada de treinamento na Faculdade de Direito da USP

A fase oral da competição ocorre na Washington College of Law (American University) e, nos últimos 18 anos, contou com a participação de mais de 250 universidades de mais de 40 países. Esta é precedida de uma fase escrita, na qual os competidores devem redigir um memorial de 35 páginas, apresentando os argumentos da parte que representam perante a Corte (Estado ou Representantes das Vítimas).

Em 2014, o tema do caso hipotético estimulou os participantes a estudarem e debaterem diversos aspectos do Direito Internacional dos Direitos Humanos em relação à proteção internacional dos direitos das pessoas com deficiência. A desenvoltura  e os meses de estudos da equipe da USP foram reconhecidos, mediante o prêmio de Melhor Memorial do Estado em Português, classificado também como melhor memorial de toda a competição.

Entretanto, não foi apenas na argumentação escrita que a equipe se destacou. A oradora Julia Cruz ganhou o prêmio de Melhor Oradora do Estado em Português, ocupando o 5º lugar no ranking geral. Ambas as oradoras da equipe encontram-se entre os dez melhores da competição, tendo a Letícia Haertel ocupado a 10ª posição entre 188 participantes, classificando-se como as duas melhores oradoras do Brasil. Ademais, como a primeira colocada nas rodadas preliminares, a equipe da USP foi uma das 18 equipes selecionadas para avançar para as rodadas semifinais.

A participação na competição é parte da atividade do Grupo de Estudos Atuação no Sistema Interamericano de Direitos Humanos do NEI, mas toda a pesquisa para a redação do memorial e os trabalhos de elaboração dos argumentos orais foram realizados exclusivamente pelas duas oradoras. A posição de destaque alcançada pela equipe de 2014 reforça o sucesso da equipe da Faculdade de Direito da USP já alcançado nas últimas duas edições da competição de que participou. Em 2012, a Universidade ficou em 4º lugar geral e as oradoras Giovana Teodoro e Ana Paula Nunes receberam o prêmio de melhor memorial das vítimas em português. No ano de 2011, a classificação foi o 5º lugar e o orador Thiago Reis foi considerado o melhor na língua portuguesa.

Outras informações

Anúncios

Equipe da USP é Premiada em Competição Internacional, por Giovana Teodoro

Alunas da USP foram destaque em Concurso de Julgamento Simulado e reafirmam qualidade do trabalho desenvolvido pelo Núcleo de Estudos Internacionais da Faculdade de Direito da USP

Entre os dias 20 a 25 de maio, a equipe formada pelas oradoras Ana Paula Nunes e Giovana Teodoro e também pela orientadora Raquel Lima representou a Universidade de São Paulo na 17a Competição de Julgamento Simulado da Corte Interamericana de Direitos Humanos. Sediada em Washington DC, na American University, a fase oral da competição contou com a participação 111 equipes, abrangendo 26 nacionalidades.

Por seu caráter essencialmente acadêmico, a simulação da Corte Interamericana testou não apenas as habilidades de oratória dos competidores, mas também a capacidade argumentativa em relação ao caso hipotético com base no Sistema Interamericano de Direitos Humanos e outros institutos do Direito Internacional Público. Em cada rodada, os oradores apresentaram sua argumentação e deveriam responder, também, aos questionamentos da banca de juízes que já haviam sido orientados acerca dos principais temas que conduziriam a discussão do caso hipotético. Neste ano, a competição trouxe ao debate os direitos dos povos indígenas, garantias específicas do direito à propriedade, discriminação de gênero, controle de convencionalidade, entre outros temas.

Anteriormente à rodada oral, já cientes de seu papel como representantes das vítimas ou do Estado, os oradores de cada equipe deveriam redigir um memorial de até 30 páginas, constituindo a fase escrita da competição. Tendo em vista o caráter não eliminatório da redação dos memoriais, todas as equipes que se inscreveram na competição tiveram a oportunidade de participar das rodadas orais na American University, onde a nota atribuída ao memorial compôs 1/3 da nota que classificou as equipes para a semifinal do concurso. Além disso, houve uma premiação especificamente dedicada à fase escrita da competição, na qual a equipe da USP foi contemplada com o prêmio de Melhor Memorial das Vítimas em Português.

Cerimônia de encerramento: oradoras Giovana Teodoro e Ana Paula Nunes recebem prêmio de Melhor Memorial das Vítimas em Português

Cerimônia de encerramento: oradoras Giovana Teodoro e Ana Paula Nunes recebem prêmio de Melhor Memorial das Vítimas em Português

Consolidando seu excelente desempenho, a equipe da USP foi uma das 20 equipes que avançou para a semifinal das rodadas orais e ficou em 4o lugar na classificação final. Além de ficar à frente de todas as equipes brasileiras que chegaram à semifinal, a USP ficou pouco mais de 3 pontos atrás da equipe do Colégio Nossa Senhora do Rosário (Colômbia), que avançou para a final juntamente com a Universidade Marista de Merida (México), vencedora da 17a edição.

Embora a participação na Competição seja parte do grupo de estudos sobre o Sistema Interamericano de Direitos Humanos (P5’- Projeto do Núcleo de Estudos Internacionais da Faculdade de Direito da USP), a pesquisa para redação do memorial e os trabalhos de elaboração dos argumentos da rodada oral foram realizados exclusivamente pelas duas oradoras. Vale ressaltar que as alunas que representaram a USP reforçam a posição de destaque que nossa Universidade tem assumido na Competição. No ano anterior, além do prêmio de melhor orador de língua portuguesa, os alunos da Universidade de São Paulo ficaram em 5o lugar na classificação final e já se destacavam, então, como melhor equipe brasileira.

Equipe da USP após o anúncio dos semifinalistas (da esq. para a dir.): Raquel Lima, Giovana Teodoro e Ana Paula Nunes.

Equipe da USP após o anúncio dos semifinalistas (da esq. para a dir.): Raquel Lima, Giovana Teodoro e Ana Paula Nunes.